Dia Mundial da Alimentação

Hoje assinala-se o Dia Mundial da Alimentação, uma data com grande significado para todos os que fazem da nutrição a sua profissão. Neste dia é comum as escolas falarem acerca de temas como a alimentação e adopção de estilos de vida saudáveis, mas acredito que mais do que dinamizar palestras, encontros, fazer dinâmicas e jogos com as crianças seria interessante incluir a alimentação saudável nos currículos e no dia-a-dia da escola. Falo não só da oferta escolar nas cantinas e bar (bufetes), mas também da discussão da relação mais do que evidente daquilo que comemos e do nosso estilo de vida com as doenças do século XXI.
Não quero dizer com isto que as escolas são os principais responsáveis pela educação alimentar das nossas crianças, porque não o são, mas já que elas lá passam uma boa parte do seu dia e tendo em conta que é na escola que se aprende, porque não a alimentação saudável estar presente de forma transversal?
Acredito que o governo e os decisores políticos são quem deveria regulamentar a indústria alimentar e a publicidade, para além de que são quem deve proporcionar às comunidades, espaços, vilas e cidades infra-estruturas que promovam estilos de vida saudáveis. Mais uma vez, isto também não será suficiente, mas é essencial para que comece a acontecer uma mudança. Precisamos de educar consciências e mentalidades, de fazer ver que de nada serve comer em demasia, alimentos pouco nutritivos e de elevada densidade energética, de oferecer em espaços públicos um sem número de alimentos de fraca qualidade em detrimento de outros, muito mais saudáveis e equilibrados, mas que só se conseguem encontrar em determinadas superfícies e/ou a um preço muito pouco convidativo. As máquinas de vending são exemplo disso, basta ver os sumos de pacote, os salames, croissants, chocolates e afins que lá se encontram, em vez de fruta, pão ou laticínios. Se formos a uma pastelaria o cenário repete-se, há dezenas de variedades de bolos a pouco mais de um euro, salgados e fritos com um ar apetitoso que são invariavelmente mais baratos do que um pão de sementes com uma ou duas míseras fatias de fiambre ou queijo. Posso também dar o exemplo dos restaurantes e cafés que servem refeições em zonas menos comerciais, nos quais conseguir fazer uma refeição saudável é sinónimo de fazer uma odisseia no espaço, sendo que ou acabamos a comer um peixe grelhado manhoso com uns legumes, ou um bife de frango seco com alface, enquanto babamos para o prato do dia. Outra situação que consegue por vezes tirar-me do sério são as cadeias de restaurantes de shopping, em que temos direito a dois acompanhamentos (leia-se arroz e batatas fritas) e quando pedimos para substituir o mesmo por uma salada, pedem-nos mais dinheiro!
Comer de forma saudável não é difícil mas exige organização e perseverança, sendo que há locais onde será muito fácil de aceder a vários alimentos compatíveis e outros em que nem por isso. Mas acredito que estamos no bom caminho, há cada vez mais soluções no sentido da alimentação saudável e equilibrada e não nos podemos esquecer de que em casa somos os principais responsáveis pelo que colocamos no nosso frigorífico e na mesa. Por isso, deixo-vos com algumas das minhas dicas para comermos bem e de forma equilibrada:
- Fazer refeições regulares, não estando mais de 3 a 4 horas sem comer;
- Beber pelo menos 1,5L a 2L de água por dia (água, chá ou tisanas sem açúcar);
- Ingerir verduras pelo menos duas vezes por dia e em quantidade, seja sob a forma de sopas, saladas ou legumes cozidos/grelhados/salteados/assados à refeição;
- Consumir 3 a 4x por semana peixes gordos, como o salmão, cavala, carapau ou sardinha;
- Ovos 2 a 3 gemas por semana porque apesar de terem colesterol, fornecem essencialmente colesterol bom, i.e., o HDL;
- Carnes de aves em detrimento das vermelhas, se bem que mesmo estas fazem-nos falta aí umas 2 a 3x por semana;
- Cereais integrais em vez de refinados, seja sob a forma de pão, muesli, granola, massa, arroz, quinoa, aveia, entre outros;
- Açúcar, apenas o naturalmente presente nos alimentos;
- 2 a 3 doses de lacticínios por dia, de preferência magros;
- 1 a 2 peças de fruta por dia, no intervalo das refeições;
- Preferir confeções simples, como os cozidos, grelhados, salteados em pouca gordura, assados e estufados, em vez dos fritos, panados e refogados;
- Utilizar o azeite como gordura principal, mas não usar mais do que uma colher de sopa por pessoa e por refeição (equivale a cerca de 120 Kcal).

E lembrem-se, tal como dizia Hipócrates:
"Que o seu remédio seja o seu alimento, e que o seu alimento seja o seu remédio".

FELIZ DIA DA ALIMENTAÇÃO! :)

Créditos aqui.

*



1 comentário :

  1. É mesmo isto Filipa! Obrigada pelas dicas e por nos brindar com o seu ponto de vista, gosto imenso de ler os seus textos acerca deste tema. Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário!